quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Será mesmo intocável o Vaticano II?

Acerca da "reintegração" dos bispos da FSSPX, com a palavra os prelados e informantes de Roma:

“Eles não serão pedidos a aceitar o Concílio. Não há nada dogmático a respeito da fé e moral nos Documentos do Concílio. Muitos elevaram o Concílio como se ele fosse um superdogma, quando na verdade, não foi dogmático de nenhuma maneira” (Monsenhor Ignácio Barreira, chefe do bureau da Human Life International em Roma, publicado no jornal eletrônico The Remnant, tradução Frates in Unum). Ver original aqui.

"(...) Conforme as nossas fontes, dessa vez: “Vaticano II não é um dogma de fé (...) (Isabelle de Gaulmyn do Jornal La Crox, correspondente de Roma, tradução Frates in Unum). Ver original aqui.

"(...) O Concílio Vaticano II, que passou para a história como evento pastoral, pregou a misericórdia, a tolerância, o perdão, o diálogo (...) Considero que os lefebvristas são católicos em todos os sentidos e ninguém pode negar."( Monsenhor Nicola Bux, em entrevista com Bruno Volpe, tradução minha). Ver original aqui.

É claro que só coloquei as citações que afirmam o que nós católicos (tradicionalistas para os fundamentalistas conciliares) já sabemos, e que os papas João XXIII, Paulo VI e agora Bento XVI não negaram, que o Concílio Vaticano II é meramente pastoral, e ces't fini.

Viva o Papa Bento XVI!
Viva Dom Marcel Lefebvre e Dom Antônio de Castro Mayer!
Viva a FSSPX!
Viva a Santa Igreja Católica!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Alegria comedida

É algo para se refletir, o que Dom Lourenço nos traz neste artigo anterior ao levantamento das excomunhões. Há quem possa chama-lo pessimista, sizudo e contra o bom senso católico. O que fazer então? Eu acredito na verdade, a situação da crise na Igreja não pode ser ignorada por nós, as emoções podem e devem ser controladas, mas todo e qualquer ato de pessimismo deve ser evitado, pois não é católico, vai contra a virtude da esperança, é pecado. Não devemos nos alegrar com o decreto que declara sem efeitos juridicos, as "excomunhões" de Dom Alfonso Galarreta, Dom Willianson, Dom Bernard Tissier e Dom Fellay? Sim, certamente devemos nos alegrar, e entendo perfeitamente a mensagem de Dom Lourenço!

Vejo nos artigos "duros" de Dom Lourenço Fleichman um convite a descer das nuvens, e voltar a realidade. Que ninguém se engane e engane os outros, levará muito tempo para a Roma Eterna ressurgir das cinzas e da fumaça causada pelo o fogo diabólico que entrou no Templo de Deus. Nunca é demais ser verdadeiro.

22 de janeiro

Corre, corre! Vão levantar as excomunhões!

Dom Lourenço Fleichman OSB

Percorrendo nesses dias os sites e blogs ligados à Tradição, nota-se um certo frenesi em torno do levantamento das excomunhões de Mons. Marcel Lefebvre, de Dom Antônio de Castro Mayer e dos quatro bispos da Fraternidade São Pio X. Tenho mesmo a impressão que alguns andam fazendo profecias, doidos para verem suas previsões (enfim) darem certo.

Não posso deixar de comparar essa curiosidade, essa excitação, com o fenômeno Barack Obama, que sacode hoje o mundo político. Aos olhos da multidão, Obama é deus e Bush é o diabo. Obama é o deus que aparece para solucionar todos os problemas e Bush teria sido o causador de todos os males. No mundo religioso, o levantamento das excomunhões é visto como a solução de tudo, e já não se admite a idéia de se preferir alertar para o perigo que nos espera na próxima esquina. Ao contrário: de repente, todos esquecem do modernismo de Bento XVI, dos graves erros que se encontram nas suas duas encíclicas, etc. e passam a lidar com Roma como se, de fato, nós fôssemos culpados por alguma divisão, como se fôssemos fanáticos, retrógrados ou outro epíteto que gostem de nos aplicar.

A Permanência é uma instituição que nunca se deixou levar pelo sentimentalismo, pautando sua análise da crise da Igreja e do mundo, em primeiro lugar, na fé. Que o mundo desabe, que os grandes abusem de sua força para nos ameaçar, que nos excomunguem... não importa o que devemos sofrer por amor da Verdade e da Fé. E recusaremos sempre a calúnia dos que nos chamam de fanáticos ou "fundamentalistas", pois não há nada que possa ser anteposto ao amor de Cristo.

Levanta-se, então, essa multidão de curiosos e nos aponta o dedo dizendo que preferimos continuar excomungados. É fácil se equivocar tirando essa conclusão e eu poderia não perder meu tempo com isso. Mas é preciso alertar as almas que se deixam conduzir facilmente por este ambiente de euforia: para o verdadeiro católico não existe excomunhão e não existe levantamento de excomunhão. Nós não somos culpados de heresia se recusamos os erros de Vaticano II. Eles é que são. Nós não somos culpados de Cisma, se recusamos união à Roma modernista; eles é que se separaram da Igreja de sempre, criando uma nova religião. Nós não temos que nos mover para voltar a lugar nenhum, pois nunca saímos do seio da Igreja; eles saíram, e devem voltar, um dia, pela graça de Deus.

Se em vez de ficarmos dando gritinhos de alegria porque o papa vai levantar as excomunhões, como se isso mudasse realmente alguma coisa na nossa alma, nós olharmos para esse fenômeno com os olhos da fé e a paz do coração, veremos o seguinte quadro:
- Roma se sentirá feliz porque usou de sua paternidade, boa vontade, misericórdia ou outro sentimento que queiram atribuir à bondade infinita do papa, como gostam de dizer.
- Os fiéis progressistas olharão para nós com ares de curiosidade, talvez como filhos que vissem, de repente, chegar um filho adotivo, bastardo, abandonado: coitadinho!
- Os fiéis "ligados a um sentimento mais tradicional", de Campos, IBP, Barroux, que fizeram acordos com o Vaticano e aceitaram para sempre a missa nova e tantos erros de Vaticano II, poderão olhar para nós com uma mistura de decepção e de arrogância. Afinal, a Fraternidade terá suas duas condições prévias atendidas, e não precisou mover nem uma palha em relação a Vaticano II. Por outro lado, estão tão imbuídos desse ambiente modernista que poderão desprezar a esses católicos que se obstinam a manter-se longe do concílio e da sua obra nefasta.
- Finalmente, os fiéis da Tradição devem continuar a viver suas vidas de católico sem tomar conhecimento desse mundo louco em que se transformaram as paróquias e obras de Vaticano II. Não podemos pôr em risco a nossa fé, só porque Roma levantou as excomunhões. Nada, absolutamente nada nos fará aceitar a missa nova, o ecumenismo, a liberdade religiosa, os discursos cheios de otimismo com os direitos humanos e coisas mais. A única coisa que muda com esse ato do papa, é que a Fraternidade fica à disposição do Papa para se sentarem à mesa e discutirem em termos de verdadeira teologia, os desmandos desse concílio. Na minha opinião, enquanto viverem os bispos que "fizeram" Vaticano II, mesmo se na época eles eram apenas padres peritos, convidados ao concílio, não veremos um resultado prático de qualquer tipo de conversa. E se Roma reconhecer que o concílio é cheio de erros e ambiguidades? Vai mudar alguma coisa no ambiente, no espírito de Assis, na imensidão da obra pós-concíliar que nada tem de católica? Já dizia Gustavo Corção que toda demolição tem algo de definitivo. Não se restaura o que foi por terra.

O que sobra? Sobra a boa vontade de muitos fiéis e padres que nos hostilizam porque não temos o carimbo do Vaticano na nossa carteirinha de católico. Até certo ponto, pode-se imaginar uma relação mais amena com certos bispos, padres e fiéis. Convenhamos, é muito pouco para tanta festa, pois não significa que tenham entendido o fundo da questão. Mas sobra também o risco enorme que, mais uma vez, correm os padres e fiéis da Tradição, pois uma manobra da Roma modernista pode surpreender a muitos, cegando-os, como foram cegos os que fizeram acordos com Roma. Convenhamos, é muito sério para toda essa excitação. Se rezamos quase dois milhões de terços nessa intenção, está na hora, agora, de rezarmos para que Nosso Senhor nos preserve de mais uma dolorosa divisão.

sábado, 24 de janeiro de 2009

E a bomba explodiu...



Ver aqui a publicação (em italiano) no site do Vaticano, o decreto de levantamento das excomunhões dos bispos da FSSPX.

Ver aqui em alguns links católicos:

http://montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=papa&artigo=papa-anula-excomunhao-lefebvristas&lang=bra

http://www.fsspx-sudamerica.org/principal.html

http://fratresinunum.wordpress.com/2009/01/24/dossie-levantamento-das-excomunhoes-21-de-janeiro-de-2009/

Alguns links progressistas e liberais:

http://www.acidigital.com/noticia.php?id=15142

http://www.radiovaticana.org/por/Articolo.asp?c=261029

http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=272160

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Preconceituosos não, conceituosos sim

Ah..como a mídia brasileira é sensibilizante com aqueles “oprimidos” do passado, pena que de uma maneira tão cega e obediente as suas próprias convicções . Barack Obama certamente se sentirá um líder nato mais do que Bush um dia se sentiu. Ele é o foco das atenções dos jornalistas tupiniquins. Se ele soubesse de todas as atenções e esperanças depositadas na sua pessoa e imagem, faria sua cerimônia de posse aqui mesmo no Brasil.

Na TV, em todos os canais, se via e ouvia as semelhantes manifestações jornalisticas : “o primeiro presidente negro”, “será o primeiro negro”, “e toma o poder o primeiro presidente negro dos EUA”. Até já posso imaginar alguns esquerdistas brasileiros sonharem com uma revolução americana, dizendo: “A queda do imperialismo capitalista liderada por um negro, nada mais seria perfeito”.

Não, eles não são preconceituosos, mas conceituosos. Se aplica o conceito em um homem, mas o homem não é um conceito, ele é um ser, ele não é uma cor, ele é animal racional, com defeitos e virtudes. Que resta da mídia declarada não preconceituosa, e o que resta de seu conceito?

A mídia está sempre do lado dos mais “fracos”, embora ela cumpra um “contrato legal” das “exceções”, e utilizando uma linguagem futebolística, das cordiais “troca de camisas”. Barack Obama é a imagem quase perfeita de um herói que venceu as opressões raciais da infância. Quase, pois ainda bem que existe quem pensa diferente. O perseguido, pode facilmente ser tornar um perseguidor, pois se tem virtudes e defeitos, mas não esperamos ver e ouvir tais observações da mídia brasileira, pois eles só conseguiram enxergar a cor da pele e um pouco do desagradável passado social e interracial do atual presidente dos EUA. Portanto as exceções, as cordiais trocas de camisas, funcionam na linha do tal acordo prescrito no “contrato legal” das exceções. É de interesse do governo filo-comunista e demagogo do Sr. Presidente Lula, da ONU e do mundo que este contrato se cumpra, e que os malditos capitalistas e fanáticos “crentes” mereçam o desprezo e a reprovação da sua cultura. Seja maldito tal contrato que é uma tábua da salvação dos hipócritas.

É inimaginável ouvir da mídia que Barack Obama defende o assassinato de crianças norte-americanas que ainda não nasceram, sejam elas brancas, negras ou amarelas, se depender dele, e não da cor da pele, jamais nascerão. Pelo o contrário, é possível ouvir dela de que Barack Obama é a favor do “direito de escolha da mulher”, da liberdade feminina, a favor da vida de quem já nasceu. Enquanto os católicos americanos, tadinhos, devemos rezar por eles. Para o inferno com estes conceitos que são ainda piores do que certos preconceitos.

Tempestade em copo d'agua

É lamentável que um canal de televisão use um sensacionalismo barato para denegrir um bispo da Igreja por causa de sua opinião pessoal, acerca da história. Provar que este bispo está errado, seria uma atitude coerente do que acusa-lo indiretamente de anti-semita, caminho fácil, próprio da mídia pacifista e hipócrita, que tanto ojeriza os católicos pelo simples fato de estarmos com a verdade. Verdade na sinceridade de Dom Willianson, que segundo a carta de Dom Fellay, o "acordo" era só para falar sobre matéria religiosa. Se as perguntas entraram para outro nível, o bispo fez a gentileza de não se calar, afinal o repórter pediu uma resposta, e a resposta, mesmo fora do "contrato", não lhe foi recusada.

Outro fato lamentável, é a repugnância de alguns católicos interneteiros ditos tradicionalistas, que movidos por suas paixões partidárias, acusam o bispo de ser "propagador de confusões" e atrapalhar o "iminente" levantamento ou anulação das excomunhões, que ninguém sabe ao certo quando vai sair.

Rezemos para a nossa Santa Igreja, rezemos pela a FSSPX, e abaixo o sensacionalismo podre e as picuinhas eletrônicas partidárias.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Cry wolves!



Quando rumores do levantamento da “excomunhão” de Dom Marcel Lefebvre incomodam..entra os conciliares raivosos e desesperados, como as fontes de noticias conciliares. Dou destaque a um semanário italiano Panorama e uma agência de noticias da rede, a ACI. Ambas as fontes, acusam os tradicionalistas, especialmente a FSSPX, de sustentarem uma "mentira": a que Marcel Lefebvre assinou os documentos do Vaticano II, exceto a Gaudium et Spes e Dignitatis Humanae.

Eles se incomodam, é verdade, como negar? Como também podem eles não se incomodar com uma evidência clara (do levantamento ou anulação das excomunhões), que quando menos se esperar, possa se tornar realidade e fato concreto? Se eu fosse conciliaresco-modernista, também estaria incomodado. Mas graças a Deus, sou católico.

Já que não conseguem impedir tal fato, destes rumores “tenebrosos” silenciarem, por quanto se segue a tradicional tática de insultar ou perseguir, mas como a segunda opção é difícil com um papa que parece nos apoiar, cada vez mais, resta então a primeira opção, a de insultar fortemente, com teorias ridículas acerca do nosso “tradicionalismo”.

O ataque com o objetivo de provar o quanto somos mentirosos, foi feito a aquele que é o maior responsável pela a volta da missa extraordinária, missa gregoriana, missa tridentina, missa de São Pio V, missa de sempre. Marcel François Lefebvre. Aquele que desafiou com mansidão e enérgica atitude as autoridades do clero a provarem que ele mentiu a respeito das suas declarações contra a missa nova e o Vaticano II. O que nunca aconteceu.

Agora, o fantasma de 1988, por ironia e uma pitada de “humor negro”, consegue assombrá-los. Os modernistas leigos e principalmente o clero progressista, estão se assustando com a virada dos 180º graus da Nau da Igreja, rumo a tradição católica, de onde nunca deveria ter saído. O sonho de Dom Bosco ( ou seria pesadelo?) parece enfim mostrar-se, parcialmente...A profecia de Fátima parece realizar-se. Roe-se os dentes e arranca-se os cabelos da cabeça. Deus os acuda, já que a nós mentirosos, cabe o arrependimento ou aceitação das suas teorias. Para provar que a “mentira” é enfatizada e creditada por eles mesmos, permito-me a utilizar apenas duas citações de sites insuspeitos de conciliarismo, veja-se primeiro este, mais recente:

“Cidade do Vaticano, 10 jan (RV) - Dom Marcel Lefèbvre, o arcebispo francês já falecido, que originou o cisma tradicionalista, assinou apenas alguns dos documentos do Concílio Vaticano II, do qual havia participado, mas se negou a subscrever os dois mais relevantes: a constituição pastoral Gaudium et Spes sobre a Igreja no mundo de hoje, e a declaração Dignitatis Humanae sobre a liberdade religiosa.Foi o que precisou Pe. Fausto Buzzi da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, fundada pelo próprio Dom Lefèbvre, desmentindo a notícia divulgada pela revista italiana "Panorama".

O site parece até mesmo duvidar das “verdades” da Panorama, a começar pelo o título da noticia: "DOM LEFÈBVRE ASSINOU OU NÃO OS DOCUMENTOS CONCILIARES"? Se não duvida, porque se incomodar tanto? É mentira, ponto final e acabou..fim de papo. Ora, se Marcel Lefebvre assinou todos os documentos do Concílio Vaticano II, como eles querem, não deveriam estar rejubilando-se com a adesão, a priori, de Lefebvre à "comunhão com a Igreja"?

E anterior a esta confusão patrocinada pela a Panorama, o que diz outro site insuspeito:

“Marcel Lefebvre (1905-1991) se opôs, durante o mesmo Concílio Vaticano II, à colegialidade episcopal, à relação da Igreja com o mundo, à liberdade religiosa. Não assinou a Constituição Dogmática Gaudium et Spes nem a Dignitatis Humanae.”

Ora, ora, quem vem há tempos sustentando uma "mentira"? Dom Fellay ou o Padre Françoá Rodrigues? Nós ou eles?

Um duvida da “verdade” do seu aliado, o outro afirma a “mentira” dos tradicionalistas.

O blogue mais da linha conservadora, menos lefebvrevista, o americano Rorate Coeli, nos dá uma informação preciosa:

“O problema é: é bem conhecido que Lefebvre colocou seu nome na lista dos documentos cerimoniais (...) .

Isso implica dizer que essa lista foi assinada por todos que iriam participar das sessões do Concílio e dos documentos iniciais, que não estavam prontos ou plenamente redigidos. Essa lista poderia ser uma espécie de “lista de presença” e não de aprovação de qualquer documento, já que eram apenas esboços. Desta forma, a “verdade” da Panorama ou da ACI fica fragilizada e duvidosa (daí, com razão seria a dúvida da Rádio Vaticana e seus congêneres), embora segundo o Rorate Coeli, Bernard Tissier diz que “certamente Dom Marcel Lefebvre assinou os documentos”, mas de que adianta se ele supostamente assinou algo que discordou depois?

Querem saber a verdade? A verdade é que os lobos continuam uivando, muito mais agora, mais até do que em 2005, quando o Papa nos alertou sobre estes lobos, no inicio do seu pontificado. E como diz um refrão da banda pop norueguesa A-ha: “Cry wolf”, eu digo: "cry wolves"! E eles têm muito motivo para chorarem.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Introibo ad Altare Dei

Entrarei ao Altar de Deus. Um dia, como um cervo acossado por matilhas, debatia-se David com mil inimigos, assim externos como internos, para livrar-se deles e levar vida mais tranquila. Mas só depois de longo, penoso, e renhido combate, quando forças humanas já não lhe podiam valer, foi que chamou por socorro do alto: "Julgai-me, ó Deus, e separai a minha causa da gente ímpia; livrai-me do homem injusto e enganador!"

Foi, então, que, talvez arrebatado em êxtase, como o profeta Jeremias, entrou a contemplar os povos da terra, ascendendo ao monte Sião para lá celebrar a nova aliança; e os ouvia aclamar triunfante, lá do alto, aplaudindo aos que vinham carregados dos bens do Senhor, como trigo, vinho novo... e os via como em um jardim irrigado e florido, sem nunca elanguescer e entristecer-se: fortalecia-os o Senhor e lhes mudava o pesar em alegria. E o Senhor repetia: "Saturá-los-ei de graças; inebriarei as almas dos meus sacerdotes, e o meu povo usará à fartura dos meus bens" (Jer 31, 12-15).

Foi, então, repito, que David resolveu entrar ao altar do Senhor, erguido no monte Sião. Introibo ad altare Dei.

O que David queria , e em êxtase via, não lhe foi possível obter. Qual Moisés, viu e suspirou pela a terra em que corre leite e mel, viu e suspirou pelo o altar, em que se sacrifica o Cordeiro imaculado, mas, como Moisés, morreu sem entrar na terra prometida.

"Introibo ad altare Dei!" Sim, entrarei ao altar de Deus; entrarei senão eu, ao menos, em um dos meus descendentes!

E a profecia se realizou. O Filho da Casa de David, Jesus Cristo, entrou ao altar de Deus, levantado no monte Calvário, levantado no monte Sião, que se mutiplicou tantas vezes quantas são as igrejas do Senhor no mundo universo.

Mais. David entrou ao altar de Deus pelos sacerdotes, legítimos representantes de Jesus Cristo. David encontrou seu socorro entrando em espírito ao altar de Deus.

Ah! Sacerdotes, ah! fiéis da nova aliança, que crime o nosso de aproveitarmos tão pouco de tão imenso tesouro de graças e bens espirituais, que nos guardam junto ao altar!

Entremos ao altar de Deus; subamos, sacerdotes e fiéis, a este monte Sião e ingressemos no templo do Senhor, bem junto do altar do Calvário, onde possamos depor o nosso pão e vinho em sacríficio ao Senhor; e veremos renovada a nossa mocidade: do altar, toda a nossa força; do altar, toda a nossa alegria; do altar, todo o bem temporal, corporal, espiritual e eterno!

Santini, Lidvino. A Santa Missa na história e na mística, Ed. Vozes, Petrópolis RJ. 1948.

Nota: o texto reproduzido está fielmente como no português usado pelo o autor.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Seção Youtube - A história soviética (Parte I)

Nota: É um filme dividido em treze partes, sugiro que os leitores interessados no tema, acessem o próprio Youtube, para facilitar ainda mais, aqui está o link da playlist.

Atualização 24 de Janeiro de 2009:

O filme (que estava dividido em treze partes) foi retirado do Youtube pelo o "dono", peço desculpas ao leitor se tentou inutilmente acessa-lo através do blogue. No link da playlist, acima, poderá vê-lo reduzido e com outro título: "O extermínio dos ucranianos pelos comunistas", ou vê-lo inteiro comprando o DVD por meio deste link. Acreditem se quiser, não estou ganhando nenhum centavo por isso.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Pobre diabo?


Dizem que Karl Marx foi um grande humanista, pensador, intelectual, denunciador do capitalismo, e etc, etc , etc. De fato, que Marx teve todos estas "qualidades" ninguém duvida, mas muitos outros etcs dirão exageradamente louvores e bons feitios deste homem: que "peitava" as autoridades, denunciava as "religiões" e gritava a liberdade para as classes desfavorecidas. Segundo alguns seguidores mais radicais, Marx teria desmistificado todas as religiões, quer dizer, todas as religiões são alienantes e falsas, acentuando o ateísmo em torno da sua pessoa. Logo, Karl Marx era ateu. O que ninguém sabe, nem os pretensos marxistas cultos, é que Marx fora chamado de “ Sumo sacerdote” e “bispo das almas” por sua mulher em uma carta encontrada nos arquivos de família.

No livro de autoria de um pastor protestante chamado Was Karl Marx a satanist? – Era Karl Marx um satanista?- firmará suspeitas de que o socialista “ateu” esconderia algo mais na sua vida misteriosa, Marx, além de vociferar contra as religiões, praticaria uma... religião. O apontador desta "descoberta" é o pastor protestante Richard Wurmbrand, e eis sua biografia eletrônica.

No opúsculo de Was Karl Marx a Satanist, traduzido para o português, ele inicia sua “apologética” relatando várias coisas das quais não sabemos muito bem, a saber: que Marx foi um humanista; que Marx foi “cristão”, que Marx escrevia poesias sobre Deus antes de combater o capitalismo. Embora eu discorde um pouco do pastor, acerca da primeira atribuição que certamente deram à Marx, as razões que levam a alguém ser considerado humanista pelo o “vox populum” ou até mesmos pelos marxistas intelectuais, é na maioria das vezes, a causa social ou ecológica. Ok, Marx optou pela a primeira condição. Sobre a ecologia, Karl Marx nunca se interessou. Não era um tema contudente na época, dirão talvez porque não haviam demasiados desmatamentos e a campanha midiática contra o"rombo" na camada de ozônio.

Então resta lhe a causa social? Aparentemente sim, mas se o Pastor R. Wurmbrand argumenta contra esta imagem socializada que fizeram de Marx, e apresenta indícios incontestáveis de cartas encontradas por historiadores, e diga se de passagem, sinistramente reveladoras, que mostram que sua intenção ultrapassa o combate ao capitalismo, então há uma outro lado da história de Marx que ainda não conhecemos. Então, dizer que Karl Marx foi um humanista é equívoco de idéias, tenho certeza que neste ponto, os marxistas concordam comigo.
É certo estas cartas serem de alguém jovem ainda, o próprio autor admite quando Marx começou a escrever estes poemas macabros, ele era um rapaz de aproximadamente dezoito anos de idade. Porém, como fica a saudação esquisita de sua mulher? Marx já estara bem maduro. Se Marx nunca foi um pastor ou bispo, e nem muito menos um rabino ( Marx era de origem judaica), que coisa é essa de “Sumo Sacerdote”?

"A sua última carta pastoral, sumo sacerdote e bispo das almas, novamente transmitiu paz e tranqüilidade às suas pobres ovelhas.” (Wurmbrand apud Marx e Engels, Obras Complementares, p. 654)

Sua filha, Eleanor Marx, casou-se com um satanista que recitava poesias com estes dizeres: “Teu sopro, ó Satã, inspira os meus versos” ou “Satã é misericordioso. Olhe para Héloisa”! E uma saudação de seu filho Edgar em outra carta: “Meu querido diabo”.

Há ainda outros relatos impressionantes acerca das relações entre Marx e seu amigo burguês Engels, que o sustentava financeiramente e fazia parceria nos seus escritos públicos, notoriamente este também mantinha “confusões diabólicas” em sua mente, registrado em cartas.

Outras passagens diabólicas dos versos de Marx do mesmo livro, pode se ver aqui, confesso que não me surpreendi muito na primeira vez que li. Com todas estas informações, alguém ainda arriscaria argumentar a teoria de que Marx era ateu?

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Precisa-se de mais alienados que engulam o comunismo democrático

A doutrina comunista é sem dúvida a religião da sociedade moderna. Nossa Senhora em Fátima nos previniu desse mau sistema político, social, filosófico e “religioso”, devastador da religião cristã, por meio dos três pastorinhos. Os frutos nós conhecemos bem, até hoje: legalização do aborto, união homossexual, manipulação das massas, terrorismo, centralização de poder e etc.

Vivemos hoje, o que se pode chamar de comunismo democrático, que na verdade, fora tão desejado pelos os que estavam a frente do País, pelos os políticos direitistas e esquerdistas, pelos os burgueses no pós- ditadura militar. O comunismo democrático é só uma fachada para se instalar o verdadeiro comunismo, que teve como seu principal profeta, o alemão Karl Marx.

Tal fenômeno é mundial, e não apenas nos países pobres da América latina, o comunismo democrático se instalou em diversos cantos do mundo, até nos EUA. Há o temor que Barack Obama, transforme a maior tri-potência: bélica, tecnológica e econômica que são os EUA, em uma nova Cuba, digo que isso é impossível,senão ridículo. É visível e fato consumado que comunista que se preze chega ao poder transformado em capitalista descarado e inescrupuloso. No entanto, digo que Barack Obama não quer ser crucificado pelos os maçons e por outros liberais compatriotas, afinal não foi ele quem nasceu em uma manjedoura, em Belém.

Vejam bem caros leitores, a catolicidade tem constatado que o comunismo é obra demoníaca, o comunismo revestido de democracia é conveniente, não para todos. O comunismo democrático joga dos dois lados e joga individualmente, ele é ecumênico e tradicionalista, ele é racional e irracional, ele é gnóstico e panteísta, por fim ele pode cair nos braços da Teologia da Libertação como da Renovação Carismática, ele mente, fala a verdade e volta a ser mentiroso pois só consegue ser contraditório, sua dialética é contraria a si mesmo, suas leis são meias verdades. Ora, como disse, ele não é conveniente para todos, porque não é conveniente para os católicos.

Um exemplo de que estou falando não é asneira , dêem uma olhada neste link, o nosso governo brasileiro tem a legitima pretensão de nos enrolar, com meias verdades, como se fossemos todos criançinhas. Começam com mentiras ou meias verdades, com propagandas ideológicas, do tipo: “a camisinha protege você da Aids”. Sério? Em que base cientifica se comprova isso? Então o látex é 100% seguro? Não, não é.
No modelo de governo comunista democrático, é preciso fazer a lavagem cerebral nas escolas, começando no jardim da infância até o nível médio, passando pelas as universidades e faculdades, quando todo o povo, toda a sociedade brasileira e o mundo virarem uns zumbis revolucionários, aí sim, a emancipação política de esquerda será direita.