domingo, 12 de setembro de 2010

O Brasil avacalhado

O Brasil avacalhado

*Maria Lucia Victor Barbosa

Como um todo nunca levamos a sério coisas sérias. O brasileiro é um piadista nato e seu humor lhe basta. A informalidade é nosso forte e a moralidade nunca o foi. À massa basta futebol, carnaval, cerveja, celular, TV a cabo e a felicidade comprada em 12 prestações em lojas de departamento. Valores como honra passam longe da percepção coletiva. Sentimento de pátria ocorre para uns poucos que no exterior se deparam com algum símbolo nacional ou um forró em Nova York , executado para público de Terceiro Mundo. Entretanto, na era Lula/PT, justiça seja feita, se chegou a um grau de avacalhação nunca antes havido nesse país.

No plano urdido pelo principal grupo de poder petista, uma espécie de gabinete da sombra, o Brasil avacalhado é a ante-sala da ditadura do PT, que culminará sob a dominação de Rousseff. E esta é o golem de Lula da Silva, ou seja, a criatura que ele plasmou para lhe obedecer, humana apenas na aparência que a propaganda lhe confere, mas sem intelecto nem personalidade próprias. Como seu criador ela será uma figuração manejada ideologicamente por certas forças que o homem comum desconhece: o Foro de São Paulo que congrega a esquerda troglodita.

Mergulhado no mundinho fácil do consumo o povo abestalhado, ou abestado como diz o palhaço Tiririca que será eleito triunfalmente, aplaude o paizão Lula e votará na mãezona Rousseff, agora travestida de avó devotada. Tudo é propaganda na ante-sala do Estado Policial petista, cuja última façanha foi devassar o sigilo fiscal da filha, de parentes, de correligionários do candidato do PSDB, José Serra.

Mistura-se ao crime cometido na Receita Federal, órgão subordinado ao Ministério da Fazenda, que por sua vez é subordinado à presidência da República, a mentira descarada, a negação hipócrita dos envolvidos, todos do PT, a intriga que tenta infamar os adversários. E com maestria o PT faz aquilo que mais entende: transforma a vítima em culpada. O povo, que em sua maioria não sabe o que é Receita Federal, aplaude Lula da Silva enquanto corre solta a canalhice nos órgãos públicos. No Brasil o crime compensa desde que você seja um companheiro.

Não se contentando em atropelar a linguagem, cuspir palavrões, exibir sua costumeira vulgaridade, o paizão pula e berra nos palanques e na TV. Ele é o maior cabo eleitoral de seu golem e mente, mente e mente, porque lhe ensinaram que quanto maior a mentira mais o povo acredita. Descaradamente ele pergunta à platéia embevecida: “Cadê esse tal sigilo que não apareceu até agora?”. E acusa Serra de colocar a família como vítima da devassa fiscal feita pelos beleguins do PT.

Será que Lula da Silva gostaria, por exemplo, que fosse devassado o sigilo fiscal do seu filho Lulinha, aquele que de ex-funcionário de zoológico alcançou rápida e estrondosa ascensão financeira? Ou de outros membros de sua família que estão bem distantes das agruras do proletariado? Se o PSDB usasse as habituais e abjetas táticas de dossiês para infamar adversários, Serra já estaria preso e incomunicável, mas Lula e seu PT são impunes porque conseguiram em oito anos sem oposição dominar as mais importantes instituições, os grupos de pressão, os partidos políticos.

Lula avacalhou o Congresso e quer mais para Rousseff, elegendo também a maioria dos senadores. Avacalhou a Educação, a Saúde, o Enem, os Correios, a Petrobrás, a Receita Federal. Internacionalmente avacalhou nossa política externa apoiando ditadores, chamando dissidentes cubanos que morrem em greve de fome de criminosos comuns, se envolvendo em casos vergonhosos como o de Honduras, seguindo par e passo com Hugo Chávez e outros déspotas latino-americanos.

Indiferente, o povo abestalhado aplaude o paizão das bolsas-esmola, dos gordos lucros presenteados aos magnatas, da imprensa que, comprada com verbas oficiais repete a palavra e os hipotéticos feitos do dono.

Seis anos de bonança econômica internacional, o fiel cumprimento do Plano Real de Fernando Henrique Cardoso, muita propaganda e falatório do presidente da República, distorção de dados, nenhuma oposição produziram a sensação de que os indivíduos vão bem. Entretanto, o Brasil avacalhado vai mal. E vai piorar.

Que se cuidem os endividados pelo consumo irresponsável, os doentes que morrem nas filas do SUS, os que deixam as escolas como analfabetos funcionais, os que terão suas vidas devassadas com a quebra de sigilos bancários e fiscais, a mídia que será ferozmente censurada. Sem Poder Judiciário que proteja os cidadãos através da isonomia da lei, sem um Congresso que legisle em prol do bem comum, com a mídia amordaçada pelo futuro ministro da Mentira, à mercê de novos impostos para sustentar a pesada e aparelhada máquina pública, submetida à Constituição à lá Chávez que Rousseff pretende impor, a nação tiririca continuará a aplaudir. Brasileiro está acostumado a rir de sua própria desgraça e não tem complexo de vira-lata. Tem orgulho de ser vira-lata.

*este blogue concorda com o essencial: a crítica/denúncia ao governo Lula e seu PT e a ignorância consentida do povo brasileiro, os outros detalhes são opiniões expressas da autora.*
Fonte. http://www.blogalvarodias.com/2010/09/9218/comment-page-1/#comment-23196

sábado, 4 de setembro de 2010

"Irmã Lúcia" ecumênica?

Só para trads, os conservadores podem fechar os olhos e estribucharem:

The visionary explained that history witnessed "the outbreak of an atheist war against the faith, against God and against the People of God. A war that sought to exterminate Judaism from which Jesus Christ, the Virgin and the Apostles came, who transmitted to us the Word of God and the gift of faith, hope and charity, a people chosen by God, chosen from the beginning: 'salvation comes from the Jews.'"

http://www.zenit.org/article-16201?l=english

Ok, ok. O que a pessoa que se dizia ser a irmã Lúcia quis realmente dizer? Tentarei decifrar. Será que consigo? Pois muito bem, entendemos que o genocídio judeu (erradamente chamado de Shoá ou holocausto, uau! agora além de defensor de teorias da conspiração, também sou negacionista!!) foi horrível, repugnante, inadmissível e etc. Mas os sensatos leitores trads saberão que:

1- O extermínio nazista, a priori, não foi um extermínio contra o Judaísmo (religião), e sim contra uma raça (ou um povo), no caso, a raça judia.

2- O termo "Povo de Deus" que os conciliares costumam frequetemente usar é ambíguo, ainda mais quando se mistura Judaísmo com judeus, duas coisas completamente diferentes.

3- Dizer que a "salvação veio dos judeus", nesse contexto, é a mesma coisa que atribuir uma dependência salvífica ao Judaísmo o que na verdade independe absolutamente dele.

Creio que uma "saída" para aceitar a senhora falecida em 2005 como irmã Lúcia, é igualmente aceitar que a principal vidente de Fátima tornou-se uma modernista moderada, traindo assim Deus e Nossa Senhora, ao menos isso!
Atualização 21/09/2010
Links que trataram sobre a polêmica das "duas irmãs Lúcias"publicadas neste blogue: