Pular para o conteúdo principal

É isso aê! Demorou..


O ecumenismo de Francisco (II).

Um preâmbulo de Sandro Magister – tradução de Fratres in Unum.com – Quando vazou a notícia, confirmada pelo padre Federico Lombardi, que o Papa pretendia ir privadamente a Caserta para encontrar um amigo [Giovanni Traettino], pastor de uma comunidade evangélica local, o bispo da cidade, Giovanni D’Alise, ficou surpreso. Nada sabia de nada.
Ademais, o Papa havia programado esta visita relâmpago a Caserta justamente no dia da festa de Sant’ana, padroeira da cidade. Ao se verem marginalizados, houve entre os fiéis a ameaça de revolta. Foi necessária toda uma semana para convencer o Papa a mudar a programação e a dividir a viagem em duas partes: a primeira, sábado, 26 de julho, publicamente, aos fiéis de Caserta, e a segunda, de maneira privada, na segunda-feira seguinte, ao amigo evangélico.
[...]
[Em encontro com pastores evangélicos, Francisco] lhes disse ter tomado conhecimento, por sua amizade com o pastor Traettino, que a Igreja Católica, com sua presença imponente, obstaculiza demais o crescimento e o testemunho dessas comunidades [evangélicas]. E que, também por esse motivo, tinha pensado em visitar a comunidade pentecostal de Caserta: “para desculpar-se pelas dificuldades provocadas à comunidade”.
* * *
Papa pede perdão por perseguições dos católicos aos pentecostais.
Francisco foi a Caserta para se reunir com pastor que é seu amigo. A visita já foi qualificada como histórica.
G1 – O Papa Francisco pediu nesta segunda-feira (28) perdão pelas perseguições cometidas pelos católicos aos pentecostais, durante viagem à cidade de Caserta (no sul da Itália) onde se reuniu com seu amigo e pastor evangélico Giovanni Traettino.
A visita já foi qualificada como histórica, pois é a primeira vez que um Papa viaja do Vaticano para se encontrar com um pastor protestante.
“Entre as pessoas que perseguiram os pentecostais também houve católicos: eu sou o pastor dos católicos e peço perdão por aqueles irmãos e irmãs católicos que não compreenderam e foram tentados pelo diabo”, afirmou o pontífice.
Francisco esteve em Caserta, em 26 de julho, para celebrar uma missa em honra à padroeira Santa Ana diante de 200 mil católicos.
Desta vez Francisco retornou para se reunir com a comunidade de pentecostais da cidade ao norte de Nápoles e com 350 protestantes vindos de todas as partes do mundo. Ele pediu que os cristãos se unam na diversidade.
“O Espírito Santo cria diversidade na Igreja. A diversidade é bela, mas o próprio Espírito Santo também cria unidade, para que a Igreja esteja unida na diversidade: para usar uma palavra bonita, uma diversidade reconciliadora”, assinalou.
O Papa também pediu que os cristãos ajudem os mais fracos e os necessitados, e que caminhem ao lado de Deus.
“Não compreendo um cristão que está quieto, o cristão deve caminhar. Há cristãos que caminham ao lado de Jesus, mas em alguns momentos não caminham na presença de Jesus. Isto é porque são cristãos que confundem caminhar com andar, são errantes”, ponderou.
Após o ato, que durou cerca de hora e meia, o Papa almoçou com a comunidade, divulgou a Santa Sé em comunicado.
Francisco saiu esta manhã de helicóptero da Cidade do Vaticano e aterrissou em Caserta às 10h15 (05h15 de Brasília), no heliporto da Escola de Suboficiais da Aeronáutica Militar italiana no Palácio Real de Caserta e seguiu de carro até a casa do pastor.
Após esta conversa privada, os dois religiosos foram de carro à igreja evangélica da reconciliação de Caserta, onde alguns fiéis curiosos aguardavam a chegada do papa.
Francisco os cumprimentou antes de entrar na igreja, onde a reunião aconteceu longe das câmeras.
http://fratresinunum.com/2014/07/28/o-ecumenismo-de-francisco-ii/

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o homem é animal?

Animal
(Do latim anima)

Existe variadas explicações da sociologia e antropologia que são evidentemente superficiais. Os estudiosos antropólogos e cientistas de todas as categorias distinguem o homem animal racional do animal animal irracional. Os sociólogos e socialistas caracterizam o homem como animal político ou social. Todavia esses "animais" vivem em sociedade. O que faz ser o homem animal ao mesmo tempo que é ser político-social? Deve haver algo em comum entre os animais racionais e os animais irracionais.

Já vimos que "social" na prática todo animal acaba sendo, mas são ambos (animal e homem) políticos? Óbvio que não, só o segundo de fato o é, mas isso ainda não explica a questão. A semelhança da animalidade entre o homem e animalidade dos animais é, sem dúvida, o que é vísivel e comum. O que eles podem ter de vísivel e comum -e é claro que isso não é regra geral à todos os animais- é a natureza de ambos. O que é categórico e definidamente distinto é a razão qu…

Algumas considerações sobre as "duas irmãs Lúcias"

Quando tive a oportunidade de ler o livro de Socci (traduzido para o português lusitano), não hesitei “devorá-lo” em poucas semanas. Fiquei impressionado com algumas revelações que concernem ao mistério (ou mistérios) de Fátima. De fato, haja mistérios! As hipóteses de Socci, tem uma certa atração lógica para explicação de toda essa polêmica das “duas Lúcias”, mesmo sem ele saber e ignorá-la completamente.

Boa parte desses "mistérios", não eram desconhecidos por mim, mas a leitura do livro solidificou as minhas certezas. Quando publiquei a postagem anterior sobre o tema, não o tinha lido, fundamentava-me em outros sítios, particularmente no sítio da Montfort. Confesso que a melhor coisa que fiz foi ter aberto suas páginas e adentrar em sua envolvente leitura. A obra de Antonio Socci suscitou-me mais uma vez, a retomada da abordagem sobre a controversa “Irmã Lúcia II”.

Sim, controversa Lúcia II, e não Lúcia I, é preciso dizer, pois para mim, não resta dúvidas de que a “irmã…

As 12 mentiras históricas contra a Igreja

1. A Inquisição matou 1. 000. 0000. 000 de pessoas entre bruxas, judeus e hereges.

A Inquisição tratou somente de julgar os católicos caidos em heresia, e pouquissimas vezes, vale salientar, foi-se aplicada a pena de morte. Na verdade, a Inquisição Eclesiástica mais aplicou penas leves aos hereges que variam de multas e peregrinações a Terra Santa e não chega nem a 1/3 das mortes que lhe atribuem.

2. A Inquisição relaxou contra os abusos sexuais em crianças de ambos os sexos nas navegações portuguesas.

Primeiro que a Inquisição somente tratava de investigar possiveis hereges, e não abusos em matéria sexual contra crianças. Segundo, se houve tais abusos, não foram das primeiras navegações portuguesas que comportavam somente homens e adultos, mulheres e crianças eram proibidos de embarcar. Terceiro, não havia necessidade naquela ocasião de crianças ou mulheres sairem de suas casas para acompanhar seus esposos nas primeiras expedições a territórios desconhecidos, perigosos e incertos. Esta …