segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

O problema de "evangelizar" católicos conciliaristas nas redes sociais. É possível?

Pense que se está diante de uma feira comum de alimentos e frutas em geral; e que feirantes gritam uns com outros em razão de disputar suas mercadorias. Em que sua direita está um carro de som de publicidade que não para de anunciar o candidato a prefeito da cidade; e à sua esquerda, pode-se ouvir o seu vizinho em um outro carro, ouvindo o mais irritante som de Reggae de todos os tempos, no volume máximo. Será que daria para bater um papo com um amigo em um lugar assim? Não, não é mesmo?

Algo parecido é o ambiente de  Facebook. Existem certamente pessoas bem intencionadas com perfis no Facebook, e de fato, conheço algumas.  Mas se deseja converter aquele seu amigo conciliarista que não falta uma reunião da RCC e é devoto da Madre Teresa de Calcutá, com postagens demasiadas  resumidas sobre o modernismo que impera na Igreja ou escrever um trecho de três parágrafos sobre a modéstia, usando frases de Santo Afonso de Ligório, para aquela romântica dos jeans rasgados da paróquia, ou falar de filosofia em três ou quatro linhas comprovando Santo Agostinho contra o Prof. Felipe de Aquino. Eu só digo que a coisa não é tão simples quanto o parece. É muito mais difícil do que falar na tal feira.

E para concluir, acerca dos católicos de hoje, com isto, entenda-se, aqueles que não frequentam a RCC, pois não aparecem na igreja a séculos, estão mais preocupados com o futebol, cerveja e outras paixões variadas mil. E este católico, jamais dará ouvidos aos seus textos longuissimamente chatos por serem retóricos demais. Ainda este católico não dará a minima sobre sua possível interpretação consistente do que disse Dom Lefebvre e a crise que açoita a Igreja a mais de 50 anos. E ainda, como se não bastasse, existe os Papas do Face, que se dividem em protofacistas, criptocomunistas, conservadores, neoconservadores, amigos de x e y da tradição e inimigos de z e b também da tradição. A quem ache possível. Será que é possível? 




Ainda o chip do besta

Primeiramente, veja-se esta notícia:  https://epocanegocios.globo.com/Tecnologia/noticia/2018/05/na-suecia-3-mil-pessoas-ja-usam...