sábado, 29 de junho de 2019

O chip do besta


Um tema atual que está na boca dos teóricos conspiracionistas protestantes de livre-expressão e livre-inresponsabilidade, e que merece ser tratado com muita cautela por nós, católicos, sem dúvidas, é o que se refere aos novíssimos.

Há muito se percebe uma divulgação gigantesca sobre possíveis eventos futuros, conjecturas que se afirmam contra a Nova Ordem Mundial e o que pode vir acontecer no mundo com a vinda do Anticristo e sua marca da besta, que na verdade, seria um microchip.

Mais do que um problema na fonte, é de quem o diz. Se algum líder protestante nega à ida de três astronautas à Lua, penso que devemos apenas reter o que tem de razoável ou provável. E eu mesmo já tenho algo a dizer sobre tais viagens ao Espaço, considerando apenas como minha opinião, apesar de saber que as evidências de fraude são alarmantes. Todavia, isso não é artigo de fé, então não há problema de consciência com a doutrina católica se não a envolve diretamente neste cerco. Lembremos o caso de Galileu.

Mas ainda assim, há o que se perguntar: porque então existe um problema em quem diz, se o que diz é capaz de razoabilidade ou probabilidade? A resposta deverá ser que o protestante em questão não é isento de sua falsa doutrina. Sendo assim, o problema tratado à luz de qualquer interpretação dada ao livro do Apocalipse, mesmo se tratando de uma mera opinião, deve ser rejeitada.

Existe opiniões que estão sujeitas a erros e opiniões que, na verdade, são teses. Por isso, opiniões sobre eventos futuros do Apocalipse, mesmo vindo de católicos, deverá passar pelo crivo do que sempre defendeu a tradição da Igreja. A tese tem lá sua distinção por ter fundamentação teológica nesta mesma tradição perene.

Imagina que é certo que um chip deverá ser implantado em breve na minha e na sua testa. Será que há razoabilidade de se crer nisso? Eu respondo que, no mínimo, é algo para se ficar de olho. Da minha parte, não consigo ver muita coisa além do que já foi dito pelos conspiracionistas de diversas matizes ( isto é, um sistema mundial de identificação para controlar os povos). Mas deixando o olhar conspiratório um pouco de lado, o que temos ao olhar católico? Pois bem, já que se fala de teses e razoabilidades, recomendo este link, bem fundamentado, diga-se de passagem. É o que mais se aproxima de uma lógica sadia em relação ao que pede a Igreja.

Sabe se lá, se Bolsonaro aceitaria ser chipado nas mãos ou na testa. Mas consegue perceber um outro líder mais carrancudo, um ditador  de um perfil de Nicolás Maduro chipado? Ou deverá achar mesmo que isso passará a todos os governos, passivamente, sem nenhuma resistência? Seria algo brutal!

No momento, o falado chip da besta tá mais para chip do besta, quer seja por falta de razoabilidade teológica nos argumentos, quer seja por uma previsão orgulhosa dos fatos. 

O dogma da Assunção

"Desde tempos remotíssimos, pelo decurso dos séculos, aparecem-nos testemunhos, indícios e vestígios desta fé comum da Igreja; f...